Hayley para a NME: “Paramore é a minha banda favorita”

Hayley Williams é capa da nova edição digital da revista NME, e em um extenso bate-papo, Williams falou sobre o processo que levou a criação do Petals For Armor, sobre como foi crescer liderando uma banda no cenário emo e sobre o próximo álbum do Paramore. Confira a tradução:

“Eu amo flores”, diz Hayley Williams, uma das vocalistas mais distintas da sua geração. A cantora rebelde do Paramore está, depois de uma série de crises pessoais e profissionais bem públicas, atacando com seu primeiro álbum solo, apropriadamente intitulado “Petals for Armor”. “Essa é a metáfora mais antiga para renascimento e resiliência”. 

Como a maioria das pessoas, Williams está em casa devido ao lockdown. “Eu gosto que minha casa pareça com que uma vovó inglesa com um jardim fofinho possa morar aqui”, ela diz radiante, dando ao NME um tour improvisado e mostrando vários buquês – hortênsias do lado de fora, flores frescas na cozinha, um punhado de flores secas que recebeu no seu aniversário de 31 anos – em uma videochamada. Alf, seu adorável goldendoodle [raça], ronca por perto no chão. 

Essas ideias de renascimento e resiliência estão no centro do novo disco de Williams – lançado hoje (8 de Maio) – o título que oferece uma impressionante imagem sobre se tornar mais forte envolvendo-se em flores delicadas e leves. É sobre mostrar a sua vulnerabilidade, clara para todos verem, um conceito que ela explora com um pop emaranhado e inquieto. Mesmo nos momentos mais imediatos do álbum — as transições instáveis de ‘Dead Horse’, por exemplo — A escuridão lança uma sombra em todas as notas açucaradas. Depois de anos colocando uma máscara de durona, Hayley Williams está farta de se esconder.

Paramore foi formado enquanto adolescentes em Franklin, Tennessee em 2004 e rapidamente se tornaram os queridinhos da cena de rock alternativo. Primeiro surgindo como uma nova esperança reluzente da gravadora alternativa Fueled By Ramen – casa de tipos como Twenty One Pilots e na época, Fall Out Boy — a banda foi rapidamente se tornou popular; seu pop-punk incendiário viajou do circuito da Warped Tour para o topo das paradas.

E sim, nos bastidores, o Paramore já tinha resistido a muitas tempestades. Em 2009, após o lançamento de seu terceiro disco ‘Brand New Eyes’, os irmãos Farro – baterista Zac e guitarrista principal Josh — deixaram a banda de forma dramática, compartilhando um declaração amarga no processo. Quatro anos depois, logo após o álbum homônimo, o baixista Jeremy Davis saiu. Naquele mesmo verão até Williams saiu secretamente. Por um tempo, o guitarrista Taylor York foi o único membro remanescente do Paramore. Mais tarde, Williams descreveu 2015 como “o pior ano” de sua vida.

“De fora, ‘Paramore’ era o nosso disco mais bem sucedido,” ela fala. “Nós ganhamos um Grammy de Melhor Música de Rock por ‘Ain’t It Fun’ e eu fiquei noiva – toda essa merda muito louca estava acontecendo.” Contudo, todos esses marcos deixaram Williams se sentindo vazia. “Eu passei a maior parte da minha vida tentando ser a prova de balas e insensível,” ela dá de ombros. “Eu aprendi mais ao me tornar mais impotente depois disso.”  

Com o álbum mais recente de Paramore, ‘After Laughter’, 2017, que viu Zac Farro retornar para a banda, Williams começou a confrontar aquela dor. Paramore construiu um disco neon colorido inspirado em new wave, que confrontava melodias leves com esmagadoras letras sombrias. 

“Eu diria que por uma boa metade daquele álbum, eu estava em negação da minha depressão,” Williams diz. Como se ela não tivesse lidado com o suficiente, ela também estava no meio de um divórcio com Chad Gilbert, guitarrista na banda pop-punk New Found Glory. 

A turnê do ‘After Laughter’ se tornou intensa e frequentemente uma experiência cansativa. “Deus, houveram alguns momentos onde eu estava chorando desesperadamente antes de shows,” ela admite.

Ainda assim, Williams segurou os aspectos positivos durante aquela turnê (e particularmente lembra de uma noite em Berlim, quando a banda e equipe técnica “me animaram durante a noite”, após ela ter anunciado publicamente o seu divórcio). “O que sempre me impressionou,” ela fala, “foi que quando as luzes se acenderam – mesmo que eu ainda pudesse sentir o peso – verdadeira alegria se estabeleceu. Isso era bem confuso! Somente agora, em retrospectiva, posso entender. Eu estava apenas começando a entender que como humanos, uma das mais duras e vitais lições é: aprender a segurar ambas extremidades. Criar espaço para a sua maior tristeza e sua alegria mais brilhante. Tudo isso pode acontecer junto.”

Três anos atrás – no mesmo mês do lançamento do After Laughter – Hayley Williams se mudou para um chalé de onde ela está falando nesse momento com a NME. Ela queria um recomeço. Primeiro foi bem ruim mas ao mesmo tempo ela se sentia atraída por aquilo. “A casa estava infestada de morcegos e suja… Disse Williams. “Assim como eu, naquele momento”. Ela ri estridentemente. “Precisa de um exorcismo.”

Ao chegar lá, ela não sabia o que queria da vida. Mudar-se da fazenda onde vivia com seu ex-marido ofereceu a ela uma página em branco. 

“Comprei a casa porque pensei: ‘Minha vida vai ser assim e talvez um dia eu tenha filhos aqui’, ela disse agora. Eu ia virar dona de casa.” Esse lugar, ela acrescenta, “Combinava com minha alma muito mais”.

Longe das câmeras, ouvimos um bocejo repentino – Alf havia acordado. “O que foi, amiguinho?” ela pergunta a ele. Depois do breve incômodo, ela o solta no jardim. “Nossa,” exclama Williams em seguida, se ajeitando no sofá. “E agora todos os vizinhos acordaram.”

Realmente parece que Williams criou seu próprio santuário, livre do peso das cobranças das pessoas. “Sim,” ela concorda. “Não queria mais tentar me encaixar em um papel do que eu esperava ser. Agora tenho mais camadas, mais coragem. Preciso cuidar de algumas coisas.”

Petals For Armor revela uma canção de amor para a nova casa –  Cinnamon detalha dias tranquilos e alegres com Alf, aromas picantes vindo da cozinha e tomando café da manhã solitária e nua. Só porque ela pode.

“Home is where I´m feminine,” ela canta. Como um todo, esse projeto é sobre Williams se entregando ao cru, desafiando estereótipos de feminilidade – onde a raiva não é apenas válida, mas necessária.

“É bárbara a capacidade que nosso corpo tem,” ela aponta. “Ter uma personalidade doce que passa segurança para as pessoas? Isso não é ser feminina. Ser feminina é muito mais perigoso do que isso.” ela sorri. “Eu vivo por isso.”

Williams acrescenta que uma lenda francesa chamada Bluebeard “mudou sua vida”. O conto fala sobre uma jovem que se casou com um homem controlador. Certo dia, ela o desobedeceu abrindo uma porta proibida na casa dele. Dentro desse quarto de conto de fadas, ela descobre a dura verdade – Bluebeard havia assassinado todas as suas esposas anteriores. Ela seria a próxima. Então, com ajuda das irmãs, ela o mata e herda seu castelo. A história é uma metáfora sobre desafiar regras do patriarcado.

“Como mulher, achei necessário me distanciar de Misery Business”

“Bluebeard mudou minha percepção sobre o motivo de eu ter saído de uma situação tóxica,” ela explica “e porque precisava entender esses motivos – como eles soavam, como era seu gosto. As pessoas não curtem mulheres bravas. Mas foram as mulheres bravas que trouxeram mudanças para a sociedade. É julgada tão rapidamente [a raiva], mas a ira das mulheres é um catalisador de coisas lindas e não precisa ser mostrado como algo terrível.”

Ao escrever seu primeiro álbum solo – após 17 anos de carreira – ela se pegou relutando outras expectativas de como esse disco deveria ser. Um pouco antes do lançamento o Brand New Eyes, ainda navegando nas ondas do álbum de estreia Riot! De 2007, o Paramore abriu os shows do No Doubt na turnê americana. Comparações entre as bandas continuam desde então. No Doubt e Paramore tem uma coisa em comum – ambas são bandas com vocalistas mulheres, a primeira tem Gwen Stefani – mas é aí que termina

Ao referenciar o hit de 2004 de Gwen Stefani, Williams admite: “Achava que as pessoas estavam esperando um Hollaback Girl [do meu álbum solo]. Para ser bem sincera – e não quero ofender – eu não queria mesmo ser como a Gwen.”

Ela continua: “Tive muita ansiedade por causa disso… será que as pessoas realmente querem um super disco pop? E se eu não entregar isso e decepcionar? Quando comecei a escrever músicas mais dançantes como Dead Horse, pensei, ‘Eita porra – será que sou uma vendida?’”

Por fim, ela diz que não se sente completamente segura em lançar um projeto com seu próprio nome: “De qualquer forma, não há como vencer. Essa é a posição na qual a indústria musical coloca as mulheres, a gente não tem como provar para ninguém que tipo de artista somos. Você simplesmente tem que ir e ser.”

Portanto, ao invés de criar um super disco pop, ela volta sua atenção para artistas que a fizeram se apaixonar pela música. Williams morou no Mississippi até os 13 anos. Seus pais se divorciaram quando era jovem e, mais tarde, após o fim do segundo casamento de sua mãe, ela se mudou para o Tennessee.

“Tem uma parte da minha vida que eu costumo esquecer, porque é repleta de coisas ruins,” ela diz. “Sempre amei ouvir R&B e soul: Missy Elliott, Erykah Badu, TLC. Me inspirava nelas mesmo sabendo que minha realidade era bem diferente,” ela conta.

“É interessante ter 31 anos e escrever tantas músicas bebendo desse [R&B e soul] poço,” observa. “Me lembro da Good Vibrations, uma loja de CDs no Mississippi, como meu pai quando tinha oito anos. Ouvi Sade pela primeira vez e foi um momento que está em mim até hoje. Os movimentos da Sade são muito sexy, mas são empoderados: há algo claramente feminino neles, mas também, dentes”

Por consequência, Williams também se sente “honrada” quando artistas que não soam como Paramore citam sua banda como influência. Em especial, o rapper Lil Uzi Vert, fã do grupo, “significa muito pra mim”, diz ela. “Eu também me inspiro em muitas bandas e artistas que não tem nada a ver com o Paramore, e tudo vira uma sopa que faz ser quem somos.”

Por conta de toda a ansiedade quanto ao que as pessoas poderiam esperar dela, Hayley Williams ignorou suas preocupações iniciais quanto a seu álbum solo. Quando estava escrevendo ‘Petals For Armor’, ela sentiu que estava no banco do passageiro enquanto uma outra força dirigia; as músicas continuavam a sair por acidente. Instintivamente, ela sabia que elas não eram músicas do Paramore. Era momento de atacar sozinha.

Apesar do álbum certamente cavar fundo, sua espada acertar algumas verdades desconfortáveis, um calor é emanado de cada nota. A suave e dispersa ‘Leave It Alone’ tem um ar melódico de Thom Yorke ou Warpaint, e confronta os lados mais desagradáveis do luto. É um das músicas mais obscuras que Williams já escreveu, e às vezes veste um estranho sorriso. “Don’t nobody tell me that God don’t have a sense of humour [Ninguém me diga que Deus não tem um senso de humor]”, ela brinca na primeira frase,‘Cause now that I want to live, well, everybody around me is dying. [Porque agora que eu quero viver, bem, todo mundo ao meu redor está morrendo.]”. Fala concisamente com o tipo de humor sombrio que só se pode conhecer depois de sofrer com luto.

“Paramore é a minha banda favorita”

Williams escreveu a música após sua avó quase morrer depois de uma queda uns anos atrás – ela sobreviveu ao acidente, mas ficou um trauma severo na cabeça. “Eu não havia perdido a minha avó fisicamente, mas mentalmente e cognitivamente, não é a mesma existência”, ela explica. Ao encarar a morte, uma perspectiva sombria começou a tomar conta. Qual o sentido em amar alguém se você eventualmente vai perdê-los?

“Esse é o jeito mais simples e conciso de resumir”, ela diz. “É um fato da vida, cara, e eu odeio isso. Eu ainda quero amar alguém e ainda quero ser amada; Eu ainda quero experienciar alegria com as pessoas que amo, sabe?”. ‘Leave It Alone’ é sobre “lutar contra esse pessimismo, essa visão fatal”, ela explica. “Eu preciso lembrar que mesmo quando as fases sombrias forem longas” – ela abre seus braços, antes estreitar o espaço entre as mãos, “e a alegria for curta, tudo vale a pena”.

A animada mas ardentemente sincera ‘Dead Horse’ coloca tudo de forma igualmente cruas, referenciando o caso de infidelidade que iniciou o relacionamento, de quase uma década, de Williams e Gilbert. “I got what I deserved / I was the other woman first [Eu tive o que mereci / Eu fui a outra mulher primeiro]”, ela canta. Por um tempo, Williams hesitou em ser tão brutalmente honesta.

“Eu não queria escrever músicas sobre o meu passado desse jeito”, ela admite, “Eu realmente não queria. Nunca tive problemas em cantar sobre as coisas que me irritavam. E fiz isso com o Paramore durante toda a nossa carreira, mas aprendi a me articular de forma diferente conforme fomos crescendo.” 

Se forçando a entrar em um território desconfortável, no entanto, a levou a uma descoberta. “Minha ira e raiva tinham sido uma camada protetora para a tristeza mais suave e a vergonha que sentia”, ela diz. “‘Dead Horse’ veio logo após eu ter tirado o último curativo. Foi sobre descobrir essa lava borbulhante debaixo de uma pedra dura. Foi como cavar até os ossos. Parece que foi o meu eu de 21 anos que escreveu essa música. Eu a silenciei por tanto tempo e a cobri com raiva. Precisei colocar um pouco disso pra fora; uma farpa de vergonha precisava ser puxada pra fora.”

Falando sobre músicas escritas pela Hayley Williams mais nova: Paramore, em anos recentes, também reavaliou algumas de suas músicas mais antigas. A cantora escreveu um de seus maiores singles, ‘Misery Business’, quando ela ainda estava no ensino médio. Uma letra em particular – “Once a whore, you’re nothing more / I’m sorry: that’ll never change [Uma vez puta, você não é nada mais / Me desculpe: isso nunca vai mudar]” – saiu direto de seu diário. Por anos, a banda viveu um conflito: mesmo sendo, indiscutivelmente, sua maior música, ela os deixava desconfortáveis por colocar outra mulher para baixo. “Para nós sempre foi um pouco… ‘Hmm’”, Williams estremece. “Isso não parece certo.” 

E então, no fim na turnê de ‘After Laughter’ de 2018, o Paramore decidiu retirar a música da setlist por um tempo. Mais cedo naquele ano, Williams reforçou seu ponto ao contestar a inclusão da faixa na playlist ‘Women in Music [Mulheres na Música]’ do Spotify.

“Como uma mulher eu sinto que era importante eu tomar responsabilidade e fazer uma afirmação ousada como aquela”, ela diz. “Agora eu estou fazendo esse projeto que é enraizado na minha descoberta da própria feminilidade. Eu sinto que estou dando um tempo para que as pessoas entendam essa decisão. Nós crescemos em uma cena tão divertida, mas não acho que as garotas percebiam ao que éramos submetidas todos os dias. Eu não odeio ninguém por isso – eu era parte disso. Eu apenas quero crescer e superar isso.”

“O que nossos corpos fazem é barbárico; a feminilidade é perigosa”

Williams admite que ela não sentia muita afinidade com a cena emo com a qual o Paramore era originalmente associado: “Eu posso confortavelmente dizer, olhando pra trás, que eu não acho que a gente sentia que nos encaixávamos. Nós realmente nos rendemos a isso em ‘Riot!’.” O título desse álbum – que inclui ‘Misery Business’ – se referia à caótica efusão de emoções, e levou Paramore ao mainstream. Eles logo foram associados à bandas emo como My Chemical Romance, Fall Out Boy e Panic! At The Disco. Os álbuns seguintes viram Paramore se desviar do seu momento de descoberta, se transformando em algo mais pop – uma mudança intencional.

“Quando eu vou ao Spotify do Paramore e vejo o ‘O que os fãs também ouvem’, eu não me relaciono de verdade com nenhum dos artistas”, ela diz. “Não é em desrespeito. Eu conheço muitas dessas pessoas, eu cresci com elas. É mais um ‘Oh, uau, nós não ouvíamos nada que soa como isso’.”

Ainda assim, ela reconhece que notou, pela primeira vez, a influência que a tão-conhecida música emo estava tendo no meio quando Rihanna e Eminem lançaram seu single sombrio em 2010 ‘Love The Way You Lie’. “Eu pensei, ‘Uau – isso soa como letras que eu teria escrito para o Paramore uns tempos atrás,” ela diz. “Rihanna gravou muitas músicas com uma letra pop profunda e distorcida. É fascinante. Eu lembro quando a nossa cena alternativa estava lançando coisas  similares e não eram aceitas no pop.”

E ainda tem muita antecipação no topo dos planos para Williams e a banda. “A gente pensou sobre [o próximo álbum do Paramore],” ela explica. “Taylor tem mencionado coisas como: ‘Oh, Deus – eu sinto falta de guitarras’. Nós temos nos pegado ouvindo muita música antiga que ouvíamos quando mais novos e nos inspirava. T e eu gostávamos de coisas um pouco mais pesadas: The Rapture, Yeah Yeah Yeahs. Nós três amávamos o álbum ‘Songs For The Deaf’ do Queens Of The Stone Age.”

O som de guitarra será um reviravolta do new wave do ‘After Laughter’. “É algo como verão/inverno,” diz Williams. “Quando é inverno você não pode esperar para estar suando, e quando no verão, você está ‘Merda – eu odeio isso!’. Depois de fazer o ‘After Laughter’ foi tipo, ‘Ok, nós tentamos isso e realmente se encaixa e parece ótimo. Agora vamos ver o que mais nós podemos fazer pra estragar isso’. Essa empolgação e curiosidade que nos mantém como banda. Nós não vamos deixar isso acontecer a não ser que achamos ser a coisa mais legal do mundo, quero dizer, Paramore é a minha banda favorita. Como eu me atreveria a arruiná-la?”

Talvez inevitável, isso a leva a refletir na mudança de dinâmica que o Paramore teve ao longo dos anos: “Deus, envelhecer é algo tão estranho. É muito legal poder crescer com esses caras. Nós zoamos por muito tempo, e fizemos das nossas próprias vidas um inferno, mas nos tornou pessoas melhores. Eu estou animada.”

“O Paramore foi um inferno por um tempo, mas nos tornou pessoas melhores”

Normalmente, Hayley Williams estaria se preparando para sair em turnê por agora. Porém, todas suas datas de show foram adiadas e o desenrolar de ‘Petals For Armor’ teve seu caminho desviado. Se adaptando à vida em isolamento, Williams lançou músicas individualmente, pouco a pouco. Em sua casa, ela tem estado ocupada filmando um irônico videoclipe de treino e exercícios para o single ‘Over Yet’ (que viralizou) e postando covers de artistas como Phoebe Bridgers (que a propósito faz participação no álbum com suas companheiras da banda Boygenius, Julien Baker e Lucy Dacus). Pela primeira vez, ironicamente, as redes sociais a tem mantido sã.

Muito do que ‘Petals For Armor’ fala é particularmente valioso nesse momento. Abraçar a vulnerabilidade como fonte de força, celebrar a suavidade, tratar a você mesmo e outras pessoas com gentileza – são algumas das cordas-guia que nos levam pelo escuro. Ainda assim, como Williams coloca: “Mal posso esperar pelo momento em que todos nós possamos nos alcançar e tocar as mãos ou algo do tipo.”

Confira as fotos divulgadas pela revista:

Tradução e adaptação: Paramore BR.
Fonte.