DIY Magazine publica review sobre apresentação do Paramore em Londres

O site da DIY Magazine publicou uma review sobre o show do Paramore no The O2 em Londres (12/01). Confira a tradução da matéria na íntegra:

“As coisas podem ter mudado desde a última vez que estiveram aqui, mas se tem algo que está claro depois desta noite é que eles finalmente estão no lugar certo.”

A última vez que o Paramore agraciou a O2 Arena de Londres, as coisas estavam um pouco diferentes. Tendo visitado a arena há mais de sete anos, o evento de duas noites marcaria, mais tarde, alguns dos últimos shows de dois dos seus membros fundadores. Durante o tempo desde então, a vida para a banda pode ter continuado no seu infame caminho incerto, mas é agora – apenas alguns dias em 2018 – que parece haver uma mudança verdadeira na maré.

A banda de abertura – a enigmática mewithoutYou da Filadélfia – pega um dos desafios mais inesperados da sua vida ao tocar no palco mais ocupado do mundo. Sua natureza intricada e fascinante é aumentada pelo ambiente elevado e há uma potência adicionado aos gostos de “Red Cow” e “January 1979”, que explode ardentemente na metade do set.

Tendo visitado o Reino Unido em junho passado para testar seu último lançamento, essa noite parece muito mais como uma celebração para o Paramore. Da abertura sintetizada de “Hard Times”, ambos entusiasmo e energia num pico fervente, a banda mesmo mal parando para respirar em seguida à sequência de “Ignorance” – obscura e deslumbrante – e ao pop açucarado de “Still Into You”. Hayley Williams é uma bola vibrante de poder, chutando alto e se jogando ao longo do palco como se não houvesse amanhã, enquanto Taylor York balança seus cachinhos sem cerimônia em “Fake Happy” e “I Caught Myself”.

Construído primariamente com faixas do seu último álbum “After Laughter”, o set da banda se sustenta como uma blitz em alta velocidade através do seu catálogo antigo – a eufórica “That’s What You Get”, com certeza uma das favoritas da era “Riot!” – enquanto ainda mostrando alguns dos seus menos esperados novos cortes. “Pool” é maravilhosamente reflexiva, “Idle Worship” é tão catártica – tanto para os fãs quanto para a vocalista – como promete no álbum e a incendiária “No Friend” é uma exibição implacável e cinética que traz Aaron Weiss, do mewithoutYou, de volta ao palco para sua parte, enquanto a banda musicalmente se dirige para a borda do descontrole.

O que é mais impressionante nesta noite, no entanto, é o quão feliz a banda parece estar. Em contraste com seus últimos shows nesse palco, a banda – com Zac Farro recentemente de volta – parece mais sólida, mais confortável que nunca. Seu entusiasmo brilha através das suas piadas internas no palco e danças contagiantes, e, apesar do tema principal de “After Laughter” ainda machucar um pouco, é claro que eles estão se sentindo mais esperançosos nos últimos dias. As coisas podem ter mudado desde a última vez que o Paramore tocou na O2, mas se algo está claro depois desta noite, é que eles finalmente estão no lugar certo.

Tradução e adaptação: Equipe Paramore BR.