USA TODAY faz review sobre o “After Laughter”

O  jornal diário USA TODAY, publicou em seu site um review sobre o novo álbum da banda, “After Laughter”. Confira a tradução na íntegra:

Paramore, Linkin Park dão grandes saltos, mas apenas um atinge o alvo

Uma geração de adolescentes melancólicos cresceu ouvindo Paramore e Linkin Park, mas apenas uma banda cresceu junto com eles.

Ambos os artistas são cortes do mesmo pano, apesar de suas diferentes formações: um é um trio do Tennessee liderados por uma Hayey Williams de cabelo neon; o outro, seis integrantes da Califórnia liderados por ChesterBennington. Cada um é uma banda de rock emocional que apareceram na metade dos anos 2000 junto com outros iniciantes de pop-punk, como Fall Out Boy, MyChemical Romance e Panic! atthe Disco. Eles surgiram no nada em palcos de Warped Tour, trilhas sonoras de Crepúsculo e Tranformers e tiveram suas músicas memoravelmente espalhadas por fãs online. Eles rotineiramente traduziam a raiva de jovens adultos hits raivosos e melancólicos, incluindo “In the End”, “New Divide”, “The Only Exception” e “Misery Business”, tudo isso enquanto permaneciam amigáveis fora dos palcos.

Agora eles estão de volta com álbuns novos com uma semana de diferença entre cada um e que não poderiam ser mais diferentes, tanto em qualidade quanto som. “After Laughter” do Paramore (***1/2 de quatro) habilmente se expande para o descarado e colorido pop do single “Ain’t it Fun” de 2014, seu único top-10 smash na lista Hot 100 da Billboard. Inpirado nos anos 80, a faixa principal “Hard Times” – com seu refrão forte e uma mistura alegre de marimbas, bongos e bateria – tem uma mensagem fácil de se relacionar sobre dores crescentes debaixo de uma superfície polida, enquanto “Rose-Colored Boy” e “Caught in theMiddle” são músicas pop construídas elegantemente com um gostinho caribenho.

Algumas músicas mais maduras do “After Laughter” chegam na metade do álbum, quando elas começam a ficar mais calmas. “Fake Happy” começa com o que as como Williams cantando pesarosamente para um telefone, antes de evoluir para um hino digno de estádio sobre inseguranças e fingimento de “uma cara alegre”. Acordes de violão trazem elegância para a balada melancólica “26”, que é seguida por outra mudança dramática de estilo em “Pool”, uma pancada hipnotizante de sons eletrônicos e guitarra que soaria igualmente como algo saído de um álbum de EllieGoulding. Paramore está claramente visando mais para músicas de rádio aqui, mas suas letras enganosamente comoventes e a audaciosa fusão de gêneros é o que faz com que valha a pena ouvir.

Tradução: equipe do Paramore BR | Fonte