BrooklynVegan publica review sobre o “After Laughter”

O blog de música BrooklynVegan publicou, nesta sexta-feira (12), um review sobre o After Laughter, novo álbum da banda. Confira abaixo o texto traduzido na íntegra:

CINCO LANÇAMENTOS NOTÁVEIS DA SEMANA – BROOKLYN VEGAN

ParamoreAfter Laughter

Fueled by Ramen

O segundo álbum do Paramore, “Riot!”, faz 10 anos no próximo mês e quando rola esse aniversário, provavelmente haverá algumas retrospectivas chamandoo de algum tipo de clássico. Com razão. Comparado ao influxo de bandas excessivamente dramáticas e lamuriosas passando por “pop punk” em 2007, “Riot!” meio que soava como um bom e cativante rock alternativo. O álbum “envelheceu” muito melhor que boa parte dos seus similares da época. Como a maioria daqueles outros (incluindo seus colegas de marca igualmente bem-sucedidos, Fall Out Boy e Panic! At the Disco), Paramore não está mais escrevendo músicas no gênero pop punk. Eles insinuaram sua nova direção no álbum autointitulado de 2013, mas “After Laughter” – o primeiro álbum com o baterista original, Zac Farro, depois de oito anos – é pop completo e brilhante. Para o Paramore, isso é menos inesperado do que para FOB e P!ATD. Atlantic tinha planejado em assinar com Hayley como uma cantora pop antes de ela formar o Paramore. A mudança do som também se encaixa no Paramore mais naturalmente do que nas outras bandas do FBR que estão tentando a mesma mudança. Hayley quase não mudou seu estilo vocal desde o início da banda e sua voz ainda se encaixa perfeitamente com a abordagem synthy e dançável deste álbum. De um jeito completamente diferente, “After Laughter” tem momentos tão agradáveis quanto “Riot!”. Para “After Laughter” (e seu álbum autointitulado), Paramore foi para o produtor Justin Meldal-Johnsen, que ajudou Tegan & Sera a fazer uma transição semelhante do rock para o pop em “Heartthrob”. Ainda é creditado a ele M83 e YACHT. Em uma nota similar, Zac Farro passou o seu tempo longe do Paramore liderando sua banda Halfnoise, inspirada em Tame Impala, e os recentes colegas de turnê do Paramore são artistas de pop alternativo, como CHVRCHES, Charli XCX e Metric. A música em “After Laughter” é bem mais parecida com esses artistas do que com o que o Paramore estava fazendo na década passada. “After Laughter” é um sucesso, no entanto, porque o Paramore soa mais como se estivesse esculpindo o seu próprio caminho do que seguindo tendências. O single principal, “Hard Times”, é como uma chamada de volta para o rock dançante da metade dos anos 2000 (via metade dos anos 80) e quem realmente ainda está fazendo isso? “Rose-Colored Boy” é um renascimento de Madonna/Cyndi Lauper tão bom quanto você terá hoje em dia. Bem no meio desse álbum otimista vem “26”, uma música sombria e carregada de acordes acústicos que traz de volta memórias da mistura emo/country de Rilo Kiley. “No Friend” tem como convidado no vocal Aaron Weiss do mewithoutYou (que teve participação da Hayley no seu álbum “Ten Stories” de 2012), e o resultado é uma música obscura e retorcida que soa como, bem, mewithoutYou encontrando o Paramore de hoje em dia. O fato que que se encaixa bem em “After Laughter” demonstra quão mente aberta é a abordagem desse álbum.

Tradução e adaptação: equipe do Paramore BR | Fonte